quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Mesmo que a noite esteja escura,

Ou por isso,

Quero acender a minha estrela.

Mesmo que o mar esteja morto,

Ou por isso,

Quero erguer a minha vela.

Mesmo que nao pare de chuver,

Ou por isso,

Vou sair à rua e gritar por ti.

Mesmo que estejamos longe,

Ou por isso,

Continuarás a ser o meu amparo.

Mesmo que a vida esteja nua,

Ou por isso,

Quero vestir-lhe o meu poema.

Só porque tu existes,

Tudo vale a pena!

"Me molas, madre!" 12.09

1 comentário:

Pedro Alves disse...

Olá :) Foste tu que escreves-te? Li aqui alguns textos e adorei.

pedroalves87@gmail.com